Não se consideram rendimentos do trabalho dependente os abonos para falhas devidos a quem, no seu trabalho, tenha de movimentar numerário, na parte em que não excedam 5% da remuneração mensal fixa. Isto é, o abono para falhas pago a um trabalhador que na execução das suas funções movimente numerário, até ao montante equivalente a 5% da sua remuneração mensal fixa, está isento de IRS, conforme disposto no Artº2, n.º3, alínea c) do código do IRS.